Comércio Varejista -Reposição das Perdas será de 9,88% – Patronal retrocede nos benefícios sociais

Na segunda e difícil reunião de negociação da CCT 2015/2017 do Comércio Varejista realizada na quarta-feira, 21/10, na sede do Sincofarma-GO, houve retrocesso por parte do sindicato patronal em benefícios já discutidos previamente.

Também houve retrocesso em situação já definida judicialmente em ação civil pública, como é o caso da permissão do trabalho do(a) farmacêutico(a) nos feriados nacionais, estaduais e municipais, desde que haja o pagamento em dobro, não sendo admitida a folga compensatória em substituição ao pagamento devido.

Retrocesso patronal na negociação entre Sincofarma-Go e Sinfargo sobre CCT 2015/2017

Retrocesso patronal na negociação entre Sincofarma-Go e Sinfargo sobre CCT 2015/2017

Não houve consenso sobre a abertura das farmácias e drogarias nos feriados, posto que a categoria patronal negou-se a acatar a decisão unânime da assembleia dos farmacêuticos de só trabalhar nos feriados mediante pagamento em dobro.

Os proprietários de farmácias e dirigentes do Sincofarma-GO, mesmo sendo farmacêuticos, alegam que irão abrir seus estabelecimentos nos feriados independentemente de previsão em norma coletiva, demonstrando desapreço ou desconhecimento à legislação vigente e à jurisprudência pacificada do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região – Súmula 18, que determina que é necessário a previsão em convenção coletiva para haver trabalho em feriados.

Os donos de farmácia e drogarias reconhecem que, nos feriados, o movimento é maior e que o seu faturamento também. No entanto, se recusam a pagar os farmacêuticos, alegando que isso está dentro do poder diretivo do empregador escolher se quer pagar em dobro ou dar folga compensatória, do jeito que quiserem, e quando quiserem.

Eles recusaram a cláusula que tratava sobre  a normatização do salário do Farmacêutico Auxiliar de Gerente (Cargo de Confiança), com adicional de, no mínimo, 20% (vinte por cento) sobre o Piso Salarial, sem prejuízo dos ganhos de produtividade ou outras vantagens que o(a) farmacêutico(a)  já tiver obtido.

FullSizeRender (1) FullSizeRender (2)

Também não houve avanço na cláusula que cuida da RECICLAGEM TECNOLÓGICA/APERFEIÇOAMENTO CONTÍNUO. Nela, o Sinfargo pleiteia a ampliação de 8(oito) para 12 dias de afastamento justificado por ano para o(a) Farmacêutico(a) comparecer a cursos, eventos científicos, pós-graduação, relacionados especificamente com sua atividade profissional, mediante comprovação de participação no evento, considerando que todo curso de pós-graduação tem pelo menos doze módulos por ano.

 

Reposição das perdas

A exceção do seguro de vida e da reposição da perda salarial acumulada no período, no percentual de foi 9,88%, garantindo a data base de 01/10/2015, todos os demais pleitos dos Farmacêuticos foram negados pelo Sincofarma-GO, como por exemplo o  pagamento do adicional por tempo de serviço (triênio e quinquênio), vale alimentação, dentre outros tantos propostos pelo Sinfargo.

Nem mesmo o pagamento do salário em conta corrente para evitar que haja fraude / aviltamento do piso salarial, com a prática ilegal / ilícita de pagamento inferior ao mesmo, foi objeto de consenso,

A justificativa patronal é de que estão exercendo o poder diretivo empresarial e que os benefícios só poderiam ser atendidos se houvesse um consenso na redução do piso salarial que, no entendimento do SINCOFARMA-GO, é muito alto e inviabiliza qualquer avanço social buscado pelo Sinfargo.

Diante  de tudo isso, a minuta final da CCT ficou de ser encaminhada ao Sinfargo pelo Sincofarma-GO, dentro das próximas 48 (quarenta e oito horas).Assim que tivermos a minuta da convenção em mãos informaremos a todos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*