Sindicato dos Farmacêuticos realiza reunião com Sinconfarma para discutir convenção coletiva

Mais de dez pessoas, entre empresários, farmacêuticos e representantes do Sindicato do Comércio Varejista dos Produtos Farmacêuticos do Estado de Goiás, participaram da reunião com o Sindicato dos Farmacêuticos para discutir a convenção coletiva da categoria 2017-2019.

Lorena Baía, presidente do sindicato, Mirtes Bezerra, vice-presidente, Silvana Pelá, diretora administrativa, Valéria Pelá, assessora jurídica e Rafael Calixto, diretor de Assuntos Jurídicos, conduziram a reunião que durou quase 3 horas.

Depois de muita discussão, os sindicatos não entraram num acordo sobre o reajuste proposto pelo Sincofarma de apenas 1,7%. “Defendemos um aumento de pelo menos 5%, que é o que foi acordado junto a categoria”, afirma Mirtes.

Os pontos que não foram acordados entre os dois Sindicatos serão discutidos na próxima quinta-feira, 29, às 9h da manhã, na Delegacia do Trabalho. ” Se não houver acordo vai para litígio”, explica Rafael, que espera uma nova proposta do Sincofarma.

2 comentários sobre “Sindicato dos Farmacêuticos realiza reunião com Sinconfarma para discutir convenção coletiva

  1. A categoria de Farmacêuticos devem ser respeitada, um aumento de 1,73% é uma vergonha, e ainda mais mais por uma período de 2 anos, o que o sindicato esta propondo e a mesma coisa que os proprietário mau careters fazem, explorar o trabalho do farmacêutico, sem conceder os benefícios que são direitos de todos os trabalhadores, como alimentação e transportes.
    O farmacêutico é um profissional que executa diversas atividades dentro dos estabelecimentos, que nem sempre são inerente a profissão. E mesmo assim o sindicato patronal não reconhece as qualidades do profissional.
    Que esta convenção seja revista, e que os diretos da classe seja respeitados.

    • Todos os anos os aumentos salarias se baseiam no INPC. O INPC de setembro abaixou para 1,62% e em outubro deve abaixar mais ainda.
      Tivemos muitas rodadas de reuniões e negociação com o Sindicato Patronal, tentamos um aumento maior que o INCP atual, mas com essa Reforma Trabalhista que gera incerteza e insegurança no país não foi possível.
      A convenção tem validade de 01 ano 2017/2018.
      O vale alimentação é concedido por muitas empresas, pois as mesmas têm incentivos fiscais e/ou abatimentos nos impostos. PAT – Programa de Alimentação do Trabalhador, facultativo aos empregadores conforme o Ministério do Trabalho.
      O vale transporte é concedido quando o farmacêutico solicita à empresa, mas como é descontado 6% do salário do farmacêutico muitas vezes nem compensa usar.
      O piso salarial em Goiás é um dos maiores do Brasil, foi conquistado com muita luta, o momento agora é de união para defendermos o que conquistamos, garantir melhores condições de trabalhos e reajustes justos. Abs!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*